Asas de Flor

Poesia em seu coração

Textos


Renovados dia após dia
 
As sementes do cansaço são inumeráveis como inumeráveis são as formas que elas têm de nascer, se compor e se construir dentro do interior do homem em todas as etapas de sua vida.
Se formaram ou se dividiram através da Inteligência divina, que é sutil e pura, portando, têm grande força nas mentes, pensamentos e espíritos.
Cada um deve saber os segredos de como lidar com elas. Visto que somos sementes. O homem é semente.
Conheço um garotinho admirável, que mora numa casa simples ao lado de um portão que se abre para um campo paisagisticamente bem cuidado. É preciso descer do carro para abri-lo. Isso não seria problema para mim, mas para algumas pessoas que visitam o lugar é.
Esse menino, extremamente ativo, que já ganhou um monte de moedas minhas, lembra o menino da porteira, e simplesmente me emociona vê-lo passar os finais de semana correndo do pequeno portão da casa dele até a vistosa porteira da pousada. A expressão do sorriso dele é de que sente um “cansaço bom”.
Admiro-o, como admiro os que não se esqueceram de que a terra é mãe e adora sentir os pés descalços dos filhos, e o vento é um menino que gosta de assoviar e quer brincar com cabelos.
O cansaço do trabalho útil, do trabalho que transforma, é um cansaço bom, porque é assim que o coração adquire aprendizado. Sentir-se exausto no final da luta realizada com o coração jamais deverá ser considerado ruim por aqueles que tem o coração cheio de amor, porque o amor é ilimitado, e tudo que é criado com amor é enriquecedor e transformador.
As nossas vidas foram transformadas por causa do amor de Deus, um amor que se transforma na medida do amor humano. Desse modo, sabedores de que o amor é uma lei natural, aperfeiçoada por Jesus Cristo, devemos cumprir essa lei e não esquecer jamais de que a grandeza do homem não se mede pelo que ele faz, mas pelo grau de amor que coloca naquilo que faz.
A dor de se sentir inútil pode garantir que nunca o sejamos, ou, se não tomarmos os cuidados espirituais, abrir as portas para que o desânimo se instale em nossas vidas.
Não podemos ignorar o fato de que há uma epidemia de cansaço, a sociedade está cansada, parece que o mundo está sem energia e urge darmos atenção a essas sementes antes que se tornem sementes de cansaço danoso.
Altamente perigosas, elas podem ficar dentro do nosso ser, acumulando-se, enfileirando-se como bolinhas de rosário, imaginando-se as olho-de-boneca juntando-se em cachos. O que fortalece seu veneno.   
É inquietante imaginá-las dentro de nós, venenosas e perigosas, e com olhos preguiçosos, e, como se sentissem um pouco tristes, disfarçadamente vagando-os entre o chão da profundeza que habitam e essas coisas todas que faltam eternamente na maioria dos interiores humanos.
Quase sempre essas sementes ganham ar de grande autoridade e sem pedir licença para nada - na verdade damos nossa aprovação -, pouco a pouco vão ocupando espaços, fazendo estragos, gerando apatia, depressão, melancolia...
A sensação que se tem é de falta de interesse.
Adormecem as raivas, adormecem os vulcões, adormecem as paixões.
Nada mais se deseja, de nada se queixa, com nada se irrita; e o mais triste, com nada se alegra.
Melancolia no meio de uma tarde de domingo azul?
É um estado difícil de compreender, é um estado que precisa nos fazer pensar.

Aprecie sua existência, sua mente, seu corpo, sua alma!
Proteja-se!

"Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia." (2 Cor 4,16)
Matilde Diesel Borille
Enviado por Matilde Diesel Borille em 06/01/2018
Alterado em 06/01/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras